terça-feira, 22 de maio de 2012

Sobre ser julgada

Atenção: Esse post é um desabafo pessoal.

Tenho meus míseros 21 aninhos de idade e ainda não aprendi a relevar o que as pessoas falam sobre mim. No fundo eu tenho aquela obrigação de ter quer agradar os outros ou nem isso. Na verdade eu só gostaria de poder dar a minha opinião sobre certas coisas sem ser julgada por qualquer caráter.

Depois de tantos anos me parece que as pessoas ainda te julgam por muitas coisas. E cá entre nós, isso não vai mudar nunca. Eu por exemplo, julgo as pessoas pelo gosto musical, mas julgo em silêncio, de forma nenhuma faço com o intuito de incomodar alguém.

O ponto onde eu quero chegar é que todo mundo sabe que cada um tem sua própria opinião; suas próprias ideias; sua própria aparência; sua própria forma física; seus próprios gostos, mas muitas vezes não respeita a dos outros e não consegue fazer isso mentalmente ou insiste em continuar argumentando que o lado da moeda dele é melhor que a sua. Se a "ideia" é contrária, a outra pessoa não pode simplesmente fazer seu julgamento mentalmente e simplesmente esquecer?

É impossível não julgar alguém, isso é fato.  É como estar com sede e deixar de beber o copo d'água gelada encima da mesa.
Devo estar falando asneira já, mas que seja. A questão é: São as pessoas que precisam ser mais maduras ou sou eu que preciso parar de me preocupar com a opinião dos outros em relação à  minha aparência, por exemplo?

Se eu for parar pra pensar nisso, acho que no meu caso as duas coisas, não? Porque se preocupar com a opinião dos outros é ser um pouco imatura.
E o fato é que eu esqueço que eu preciso tomar o elixir de superioridade do meu namorado. Ele é o tipo de pessoa que diria que eu sou muito mais inteligente e essa questão de julgamento é uma coisa irrelevante pra eu me preocupar.

Aliás, eu não preciso do meu namorado pra me dizer que eu sou mais madura e inteligente que algumas pessoas, eu mesma posso reconhecer isso. E eu acabo de perceber que eu só precisava escrever isso pra me sentir "melhor".

Saudades dos tempos em que cada um tinha a sua opinião e era repeitado por isso. Saudade dos tempos em que pessoas do mesmo sexo poderiam se amar sem ser incomodadas. Saudade dos tempos em que ser gorda e ser magra não importava, o importante era estar vivo e ter saúde. Saudade dos tempos em que se tatuar era considerado normal. Saudade dos tempos em que não existia conflitos por causa de religião. Saudade da época em que cada um cuidava da sua vida. Saudade de um tempo em que a diversidade era considerada igual pra todos os seres humanos. Saudades de uma sociedade utópica.