quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

20!


Todos os anos eu sempre acabo falando a mesma coisa, sobre como é inacreditável que tenha passado tudo tão rápido, sobre como eu sinto saudade dos desenhos na televisão, dos passeios no parque, das mãos grandes dele segurando as minhas pra atravessar a rua, de ganhar presentes no dia das crianças, de poder me sujar, de brincar na lama, de pular na piscina, de ir pra escola e voltar pra casa e não fazer mais nada além disso, de pedir tudo que eu quisesse, de todos me defenderem de coisas bestas e de como a vida era fácil.

Esse ano eu farei diferente. Vou compartilhar com alguém (que talvez eu nem conheça) a minha felicidade. Tem gente que não liga muito pra aniversário, eu aprendi a lidar com isso. Acabe sendo um aprendizado esse momento que você para pra refletir sobre tudo. Não é a comemoração de um ano a mais na vida e sim a comemoração de todos os anos anteriores. Quer dizer, ninguém entende muito bem essa coisa chamada vida. Num momento você existe e pode deixar de existir em outro. É curioso e por esse motivo muitos tentam descobrir o segredo real da vida, mas sabe... Qual seria a graça de saber isso se o que realmente importa na vida são todas as coisas que te fazem feliz e por esse mesmo motivo te mantêm vivo?

Com o tempo eu aprendi o que muitos por ai não aprenderam. Aprendi que é preciso ver as coisas com beleza, é preciso dar valor a cada gesto, a cada pequena coisa. Eu sei, isso é bem cliché, mas sabe, não deixa de ser verdade.
Uma das coisas que mais valorizo em mim, não são meus olhos, minha boca, cabelos ou minha inteligência. Se querem saber, o que mais valorizo em mim é a minha gratidão pelas coisas. Não acredito em Deus, se querem saber, mas todos os dias da minha vida, por mais que estejam ruins ou bons eu fecho meus olhos e agradeço silenciosamente por cada coisa que tenho. As vezes um obrigado não precisa ser pronunciado para existir basta pensar e la estará.

Sou grata por ter chego onde cheguei, por ter tido todas as chances, por ter ouvido tantas coisas (boas e ruins) por ter aprendido tantas coisas, por ter tanto carinho (que muitas vezes eu acho que não mereço) por todas as minhas noites mal dormidas (na maioria delas eu escrevia algo) por todos os livros que li (em muitos deles eu pude perceber que vivo em mundos paralelos) por todas as músicas, por todos os filmes (que me fizeram chorar e sorrir, ou ambos ao mesmo tempo) por todos os sorrisos, por todos os abraços sinceros, por todas as palavras (sejam elas escritas, ditas ou pensadas) por todos os beijos, por todos os carinhos, por todos os planos, por todas as decepções (ah, principalmente as decepções, aprendi muito com estas)

Quanto a você, obrigada por ter me mostrado o lado bonito da vida de novo. Tão pouco tempo e como pode ter me mudado tanto? Obrigada por me abraçar inesperadamente. Obrigada por me mandar mensagens de madrugada. Obrigada por me aguentar durante as madrugadas falando sem parar (e me desculpe por isso) Obrigada por ter sido o primeiro a me ligar no dia de hoje. Obrigada pelos seus carinhos, pelos seus elogios, pelos seus beijos. Obrigada por me incluir nos seus planos. Obrigada por me fazer ficar sem ar toda vez que falo de você. Obrigada por me fazer chorar de alegria (agora). Obrigada por me fazer rir. Obrigada por me aceitar do jeito que eu sou. Obrigada por me fazer sentir borboletas na barriga quando vou te encontrar. Obrigada por me fazer feliz.

Obrigada Mãe e Pai. Obrigada Ohana (Nunca mais abandonar ou esquecer).

Eu, agora com 20.