quinta-feira, 29 de maio de 2008

Singularidade.



Gente virtuosa demais me desagrada. Prefiro os imperfeitos. Gosto daqueles que lutam pra não enlouquecer. Preciso daqueles que têm medo, e ainda que de pernas bambas, seguem. Sonho com aqueles que trazem a esperança por um fio. Aqueles que não sabem rezar. Aqueles que se perderam de si próprios. Apaixono-me por aquela gente que traz um olhar perdido, como quem se prepara para dar adeus. Gosto de gente que erra tanto, que consegue ousar sem neura. Preciso de gente que ama e odeia; porque de indiferentes o mundo já está cheio. Vibro com gente que não aceita desrespeito. Anseio por gente que vai pras ruas, que toma tapa na cara e não dá a outra face. Gente que num dia desiste e no outro tem fé. Amo gente que ama sem se importar com o gênero. Gente que salva desconhecidos. Pessoa singular, irrepetível e indescritível.